Arquivo

Voltar para a Home
Comédia

Starsky & Hutch – Justiça em Dobro

Sempre tive um pé atrás com Starsky & Hutch – Justiça em Dobro. De 2004, me passava a imagem de mais um filme de escracho, cheio de baboseiras. Mas “de graça” na HBO… assisti. E até é bacanudo. É o sexto de nove filmes de Ben Stiller e Owen Wilson juntos. David Starsky (Stiller) e Ken Hutchinson (Wilson) são dois policiais que, em plena década de 1970, trabalham na cidade de Bay City. Starsky e Hutch sempre são designados para

Drama

Poesia

Melhor roteiro no Festival de Cannes de 2010. Prêmio que o diretor Lee Chang-dong não esperava, segundo suas entrevistas. Ele disse que aguardava o de Melhor Atriz, para Yoon Hee-jeong, protagonista de Poesia. O homem estava certo. Sul-coreano, Poesia tem um bom roteiro, que cativa. Mas está longe de ser ótimo, como se espera de um vencedor em Cannes. É um tanto longo e cansativo, com muitos dos 139 minutos arrastados. Tem cenas desnecessárias. Filme oriental tem outro ritmo? Até

Comédia

Missão Madrinha de Casamento

Daí que eu li aqui que este filme era a versão feminina de “Se Beber Não Case”. Que legal, pensei, deve ser engraçadíssimo. Só que não. O filme é divertidinho. Lillian (Maya Rudolph) é pedida em casamento e escolhe sua melhor amiga, Annie (Kristen Wiig), como uma de suas madrinhas. Só que, além de Annie, ainda existem outras 4: Helen (Rose Byrne), Megan (Melissa McCarthy), Rita (Wendi McLendon-Covey) e Becca (Ellie Kemper). Annie começa logo a se desentender com Helen

Drama

A Missão do Gerente de Recursos Humanos

A história tem um toque de realismo fantástico. Em A Missão do Gerente de Recursos Humanos, o tal responsável pelo setor na maior padaria de Jerusalém precisa acompanhar o enterro de uma funcionária. A tarefa não é fácil. O corpo dela vai a outro país, a Romênia. A missão surge porque a imprensa acusa a panificadora de omissão, de falta de compaixão. E lá vai o homem com o caixão, em uma viagem que até lembra as peripécias familiares em

Romance

Pronta para Amar

Sempre insisto nos filmes. Por piores que sejam, vou até o fim. Há vezes que não adianta… não melhoram. Mas há vezes, como em Pronta para Amar, que vale a persistência. Se não fosse a metade inicial, este filme seria muito acima da média. Mas seu começo é pura comédia romântica, cheia de chichês e atuações fracas. Do meio para frente vira drama, e aí cresce. Alegre, bem-sucedida e solteira por opção, Marley, interpretada por Kate Hudson, conhece o médico

Drama

Precisamos Falar Sobre o Kevin

Um filme para pensar, debater, propor teorias, raciocinar… Precisamos Falar Sobre o Kevin é um baita filme. Na tela, surge a maldade pura, e discute-se se ela realmente existe, se é possível haver o mal desde o sopro inicial de vida. Na primeira cena, impactante, percebe-se que algo dará errado. Eva (Tilda Swinton, em atuação digna de Oscar) está na Tomatina, aquela festa espanhola, em Valência, regada a tomates. O vermelho, cor do sangue, toma a tela. É a cor