A Igualdade é Branca

A Igualdade é Branca

Rating

4 out of 5
Duca

Total

4
4 out of 5

A Igualdade é Branca é o segundo filme da Trilogia das Cores, do diretor e roteirista polonês Krzysztof Kieslowski, dedicada às cores e aos ideais da Revolução Francesa. Até agora assisti ao primeiro – A Liberdade É Azul – e a este. Apesar de diferentes, são muito bons à mesma maneira.

Do drama no primeiro longa, Kieslowski passa à comédia em A Igualdade. Mas não se trata de algo escrachado. É um filme sutil, sobre vingança. E aí está uma das “igualdades”. Após se divorciar na França da mulher que ama, um polonês volta a seu país de origem disposto a ganhar muito dinheiro para poder se vingar da mulher. Ele quer que o sofrimento dela seja igual ao dele. Quer que ela o ame – e sofra por sua perda.

A igualdade está por todo o filme. Há a crítica ao tratamento que o polonês recebe da justiça francesa, nada igualitária. Há o olhar sobre irmão do protagonista, que reforma seu cabeleireiro para se sentir igual aos europeus – o local ganha um baita letreiro de neón. E há a igualdade, com a fraternidade, do compatriota que ajuda o polonês largado na França.

Curiosos são os cruzamentos de histórias. Em A Igualdade, logo no começo, a personagem de Juliete Binoche de A Liberdade é Azul entra na mesma sala do tribunal de justiça onde o casal está se separando. E há a velhinha que quase não consegue jogar o lixo na enorme caixa na rua – a mesma cena nos dois filmes, vista de ângulos diferentes.

O elenco de A Igualdade é comandado pelo ótimo polonês Zbigniew Zamachowski. Julie Delpy, francesa, faz sua ex-esposa. Ela recusou um papel em A Igualdade – e mesmo assim continuou nas graças de Kieslowski.

Só me resta buscar A Fraternidade é Vermelha e encerrar a trilogia. Não vejo a hora.

A Igualdade é Branca / Trois Couleurs: Blanc

CLASSIFICAÇÃO: DUCA

Ficha técnica:


Direção: Krzysztof Kieslowski

Elenco: Zbigniew Zamachowski, Julie Delpy, Janusz Gajos, Jerzy Stuhr, Aleksander Bardini, Jerzy Trela, Jerzy Nowak, Cezary Harasimowicz e Michel Lisowski

Roteiro: Krzysztof Kieslowski e Krzysztof Piesiewicz
Produção: Marin Karmitz

Duração: 95 min.

Ano: 1994

Categorias: Drama

Sobre o Autor

Comentários

  1. Marcelo
    Marcelo 9 julho, 2012, 18:23

    Esse é melhor que o Blue, divertido e emocionante. O próximo, Red, é uma bomba, o mais fraco de todos.

Escreva um Comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.
Campos obrigatórios*